quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Doce de Abóbora Gila (a experiência)

Quando a vida nos dá abóboras de Gila* ...
                                                                                                                             ... nós fazemos doces!

Claro que não me ia meter neste tipo de aventuras sem ter o apoio da minha cozinheira preferida: a minha Mãe! A mulher que me ensinou o abc da cozinha, a minha melhor amiga, a minha Zézinha. Mas se pensam que ela sabia fazer isto, enganam-se! Pode ser cozinheira profissional mas neste tipo de coisas ela nunca se tinha aventurado!

Então teinhamos as abóboras, tinhamos duas corajosas só faltava começar!

Após várias pesquisas on-line descobri imensas receitas de como preparar em 1º lugar a gila. Este tipo de abóbora tem de ter um tratamento especial, diferente das abóboras ditas normais,pois reage em contacto com o metal oxidando e ficando com um sabor estranho (dizem os entendidos) e nós para não correr esse risco seguimos as instruções á risca. Como as receitas na net são muito parecidas ficam aqui os passos que seguimos nesta experiência.



Preparar a Gila:

Ingredientes:
Abóbora gila
Sal

Preparação:
Parta a abóbora atirando-a ao chão. Não utilize facas ou objectos metálicos, pois altera o sabor da gila. Com as mãos, separe a abóbora em vários pedaços. Retire as sementes, os filamentos mais amarelos e elimine a parte da casca que se soltar. Coloque os pedaços de abóbora num alguidar com bastante água, uma pitada de sal e com a casca virada para cima. Deixe a abóbora no alguidar de um dia para o outro.
No dia seguinte, coloque uma panela grande com água a ferver,  deixe cozer certa de 30 minutos até ficar bem tenrinha e começar a separar-se da casca. Depois de cozida, coe a gila através de um passador e reserve o caldo da cozedura. Deixe arrefecer um pouco.

Com a ajuda de uma colher de pau ou de plástico, nunca metálica, e com as mãos, raspe a abóbora para dentro de uma tigela, ao mesmo tempo que a vai abrindo em fios e eliminando a casca. Ponha-a a escorrer, bem aberta, sobre um pano grosso.

Antes de cozer:



A escorrer (não esquecer aproveitar parte da àgua da cozedura):


Este é o resultado antes de guardar no frigorifico:


Quando totalmente arrefecido podemos guardar numa caixa hermética no frigorifico e utilizar a gila de várias formas, o mais comum é o Doce de Gila:

Ingredientes:
Gila cozida e escorrida
Açúcar: Igual  ao peso da abóbora cozida e escorrida (nós usámos açúcar amarelo e colocámos menos um pouco por isso o resultado foi um doce castanho)
1 pau de canela
250 ml de água da cozedura da gila ou água normal
Estrelas de anis: 2

Preparação:
Num tacho, leve ao lume o açúcar, a água, o pau de canela e as estrelas de anis.
Mexa e deixe ferver até atingir o ponto pérola.
Passado cerca de 8 minutos passe com a colher na calda, se começar a cair em gotas, está no ponto.
Junte a abóbora de chila e sem parar de mexer, vá separando os fios.
Quando passar com uma colher no fundo do tacho e fizer uma estrada, está pronto.
Apague o lume.
Depois de fria, guarde em frascos próprios.
Doce de gila com especiarias e amêndoa

Os frascos devem ser previamente esterilizados (fervidos, com as tampas separadas, em água, por 15 minutos). Depois de cheios colocar de “pernas para o ar” para criar vácuo deixanbo arrefecer nesta posição.




Agora é fazer docinhos com gila ou comer à colherada!

*Esta abóbora também é conhecida por chila, de modo a facilitar a leitura escolhi chamar gila durante toda a publicação.